Publica\xE7\xE3o Aberta \xE9 o mesmo que Software livre

Este texto \xE9 uma tradu\xE7\xE3o do texto de Matthew Arnison, criador do active e uma vers\xE3o semelhante tamb\xE9m pode ser encontrada no verbete Publica\xE7\xE3o Aberta da Wikipedia Portuguesa.

\xCDndice

Uma defini\xE7\xE3o de trabalho para publica\xE7\xE3o Aberta

Publica\xE7\xE3o Aberta significa que o processo de cria\xE7\xE3o de not\xEDcias \xE9 transparente para os/as leitores/leitoras. Eles/elas podem contribuir com uma mat\xE9ria e instantaneamente ver que seu artigo aparece junto com outros que est\xE3o dispon\xEDveis. Essas mat\xE9rias s\xE3o minimamente filtradas para ajudar os/as leitores/leitoras a encontrar os artigos que desejam. Os/as leitores/leitoras podem ter acesso \xE0s decis\xF5es editorias que s\xE3o feitas por outros/outras. Podem saber como se envolver e ajudar a tomar as decis\xF5es editoriais. Se eles/elas acharem que ha uma forma melhor do software ajudar as pessoas eles/elas podem copi\xE1-lo porque \xE9 livre e come\xE7ar seu pr\xF3prio site. Se quiserem redistribuir as not\xEDcias, tamb\xE9m podem, preferivelmente em site de publica\xE7\xE3o aberta.

O entusiasmo total

Publica\xE7\xE3o Aberta \xE9 o mesmo que software livre.

Ambos s\xE3o respostas revolucion\xE1rias \xE0 privatiza\xE7\xE3o da informa\xE7\xE3o por monop\xF3lios multinacionais. Para os softwares h\xE1 a Microsoft. Para a publica\xE7\xE3o a CNN. Para os dois juntos, software e publica\xE7\xE3o, existe a AOL Time Warner.

O software livre \xE9 um presente \xE0 humanidade. Se voc\xEA tiver parte de um c\xF3digo de software livre, voc\xEA pode entreg\xE1-lo a outra pessoa livremente. Voc\xEA pode cobrar por um software livre, mas, uma vez que algu\xE9m tenha uma c\xF3pia, eles podem distribuir de gra\xE7a quantas c\xF3pias quiserem. Ent\xE3o, softwares livres normalmente s\xE3o de gra\xE7a. Vamos chamar isso de cerveja gr\xE1tis. Mas isso sozinho n\xE3o \xE9 software livre. Software livre \xE9 tamb\xE9m liberdade de express\xE3o, n\xE3o apenas cerveja gr\xE1tis.

\xC9 sobre a liberdade do software. Um movimento de liberta\xE7\xE3o do software. O c\xF3digo fonte, o diagrama gen\xE9tico, os mecanismos internos s\xE3o abertos para que outros/outras possam ver (por isso software livre tamb\xE9m \xE9 chamado de c\xF3digo aberto). Para que outros/outras possam tom\xE1-lo, modific\xE1-lo e pass\xE1-lo adiante com suas pr\xF3prias mudan\xE7as. O produto \xE9 disponibilizado livremente, e o processo de produ\xE7\xE3o \xE9 livre e transparente.

Se algu\xE9m n\xE3o gostar do software, pode modific\xE1-lo. A \xFAnica coisa que n\xE3o se pode modificar \xE9 a sua liberdade. As \xFAnicas cordas presas a ele est\xE3o l\xE1 para impedir as pessoas de aprision\xE1-lo. As cordas da liberdade s\xE3o chamadas de GNU copyleft, uma bela subvers\xE3o do copyright, que garante a liberdade a um peda\xE7o de c\xF3digo e a todas as suas muta\xE7\xF5es.

Os meios s\xE3o o fim. A jornada \xE9 o seu destino.

Voc\xEA pode pensar que esse processo n\xE3o iria produzir nada realmente criativo, de inspira\xE7\xE3o assombrosa, vertiginoso, grande, complexo, simples, pequeno, pedante, digno de confian\xE7a, aleat\xF3rio ou agrad\xE1vel.

Se voc\xEA acha isso, est\xE1 subestimando drasticamente o que o ser humano \xE9 capaz de fazer por divers\xE3o. Porque todos esses adjetivos se aplicam ao software livre. Geeks gostam de fazer piada sobre o que software livre necessita fazer para dominar o mundo.

A Microsoft n\xE3o acha esta piada engra\xE7ada. A Microsoft \xE9 uma das maiores corpora\xE7\xF5es do mundo. Ela gasta bilh\xF5es de d\xF3lares pagando programadores para manter o seu software fechado e os seus segredos internos.

O software livre \xE9 escrito incontrolavelmente por volunt\xE1rias e volunt\xE1rios. O software livre gere a internet e a Microsoft n\xE3o. O n\xFAmero e a diversidade de pessoas que utilizam o software livre est\xE1 crescendo.

A Microsoft normalmente responde a tal amea\xE7a comprando-os e assimilando-os. Mas o software livre n\xE3o pode ser privatizado. O software livre n\xE3o \xE9 econ\xF4mico com o seu c\xF3digo gen\xE9tico. O software livre se espalha como uma bact\xE9ria ben\xE9vola ap\xF3s um salto evolutivo.

A Microsoft parte do princ\xEDpio que as pessoas s\xE3o burras e p\xF5e seu foco em certos grupos para determinar exatamente de que forma elas s\xE3o burras. A\xED eles pagam muito dinheiro para poucas pessoas colocarem tais coisas est\xFApidas no software. Algumas vezes isso ate funciona, porque todo mundo \xE9 meio burro \xE0s vezes. Mas n\xE3o d\xE1 para todo mundo ser esperto sempre.

O software livre parte do princ\xEDpio que as pessoas s\xE3o espertas e criativas, podendo escolher entre nadar no raso ou ir no fundo da piscina da tecnologia. At\xE9 mesmo o programador mais geek de todos pode querer ter os p\xE9s no ch\xE3o algumas vezes, e o iniciante pode fazer uma grande bagun\xE7a tentando ir a fundo.

Os programadores de software livre ainda conseguem se alimentar apesar de liberarem seus c\xF3digos.

Software \xE9 informa\xE7\xE3o. Assim como s\xE3o novas hist\xF3rias. Assim como artigos opinativos. Eles podem ser facilmente copiados e compartilhados. Talvez a informa\xE7\xE3o queira ser livre? Sob o sistema multinacional dominante de not\xEDcias, elas n\xE3o s\xE3o livres, n\xE3o s\xE3o abertas. \xC9 muito caro.

\xC9 altamente reservado.

Para ver as not\xEDcias voc\xEA precisa pagar com dinheiro, ou com o tempo de ficar fugindo de an\xFAncios (muitas vezes de carros), ou ambos. Para criar not\xEDcias voc\xEA precisa pagar car\xEDssimos consultores de rela\xE7\xF5es p\xFAblicas. Para escrever not\xEDcias voc\xEA precisa obedecer aos valores estabelecidos pelas corpora\xE7\xF5es de m\xEDdia, fazendo mat\xE9rias em linha de produ\xE7\xE3o, para um impacto m\xE1ximo de propaganda a um custo m\xEDnimo.

Para editar as not\xEDcias voc\xEA precisa ser de um servi\xE7o global de not\xEDcias no mercado, ou de uma empresa multinacional de m\xEDdia. Para distribuir as not\xEDcias voc\xEA precisa ter uma das torres de transmiss\xE3o de uma grande cidade.

As corpora\xE7\xF5es de m\xEDdia partem do princ\xEDpio que a audi\xEAncia \xE9 burra. Em seu ponto de vista o potencial criativo das pessoas est\xE1 nos engra\xE7ados v\xEDdeos de edi\xE7\xE3o caseira. As pessoas criativas n\xE3o compram mais as coisas, elas fazem suas pr\xF3prias. Esse \xE9 um problema para as multinacionais de m\xEDdia. Eles n\xE3o acreditam que a audi\xEAncia pode ser criativa. Pode ser ruim para os lucros, para os sal\xE1rios dos executivos.

Mas tudo bem. A audi\xEAncia tamb\xE9m n\xE3o confia na m\xEDdia corporativa. Essa situa\xE7\xE3o levou \xE0 uma confus\xE3o e aliena\xE7\xE3o desmedida da sociedade. Estamos desconectados de n\xF3s mesmos e de nossa ecologia. Nosso planeta esta funcionando como um ecossistema global mais que nunca devido \xE0 atividade humana, ainda assim as pessoas n\xE3o encontraram formas de se comunicarem umas com as outras. Problemas sistem\xE1ticos passam despercebidos por bilh\xF5es e n\xE3o s\xE3o resolvidos. Somente os assuntos que s\xE3o importantes para vender an\xFAncios, ou aumentar as opera\xE7\xF5es da bolsa de valores possuem seguran\xE7a de impacto nas not\xEDcias divulgadas ao redor do mundo.

O que temos diante de nossos olhos \xE9 um sistema bastante complexo no qual as pessoas ganharam recentemente um enorme poder, mas que ainda n\xE3o tem o suporte de uma rede poderosa de infra-estrutura de comunica\xE7\xE3o que corresponda a esse poder. Ainda nem tanto uma vila global como um megafone global.

A\xED a internet foi adicionada aos meios de comunica\xE7\xE3o global. Se voc\xEA pode ler na internet, tamb\xE9m pode escrever. Se algu\xE9m contou uma hist\xF3ria e a colocou na rede, voc\xEA pode escolher ouvi-la ou n\xE3o. A informa\xE7\xE3o flui entre a internet e outros meios de comunica\xE7\xE3o: telefone, televis\xE3o, r\xE1dio, jornais, formando assim uma rede bem mais transparente de troca de informa\xE7\xF5es. Essa \xE9 a vila global onde voc\xEA pode fugir do tr\xE2nsito e encontrar com pessoas em vias eletr\xF4nicas e conversar.

A internet torna poss\xEDvel a publica\xE7\xE3o aberta tanto num \xE2mbito local como no global. As pessoas finalmente t\xEAm acesso ao mesmo processo poderoso e barato da comunica\xE7\xE3o global que os governos e as multinacionais tiveram acesso durante s\xE9culos.

O que \xE9 a publica\xE7\xE3o aberta?

Assim como o software livre, com a publica\xE7\xE3o aberta as not\xEDcias s\xE3o na maioria das vezes distribu\xEDdas sem custos. N\xE3o existem an\xFAncios que comem seu tempo e corrompem o conte\xFAdo. Mas isso n\xE3o \xE9 o mais importante.

A publica\xE7\xE3o aberta significa que o processo de cria\xE7\xE3o de not\xEDcias \xE9 transparente para as leitoras e os leitores. Elas/es podem contribuir com uma mat\xE9ria e v\xEA-la aparecer quase que instantaneamente na lista de artigos publicamente dispon\xEDveis. Essas not\xEDcias s\xE3o filtradas o m\xEDnimo poss\xEDvel para ajudar os leitores a encontrar o que procuram. Os leitores e leitoras t\xEAm acesso \xE0s decis\xF5es editoriais que est\xE3o sendo tomadas por outros. Podem ver como se envolver e ajudar a tomar as decis\xF5es editoriais. Se algu\xE9m pensar em uma melhor forma de ajudar na tomada de decis\xF5es editoriais, \xE9 poss\xEDvel copiar o software porque \xE9 livre, modific\xE1-lo e iniciar seu pr\xF3prio/a site. Se querem redistribuir as not\xEDcias, tamb\xE9m \xE9 poss\xEDvel, de prefer\xEAncia da mesma forma livre e aberta.

O processo de trabalho do jornalismo est\xE1 exposto. A publica\xE7\xE3o aberta parte do princ\xEDpio que o leitor \xE9 esperto e criativo e que pode querer ser um escritor, um editor, um distribuidor, ou at\xE9 mesmo um programador. A publica\xE7\xE3o aberta parte do princ\xEDpio que o leitor distingue entre uma boa mat\xE9ria e uma ruim. Que o leitor pode encontrar o que busca e que pode at\xE9 ajudar outras pessoas a seguir o mesmo caminho.

Confiamos na audi\xEAncia e parece que as pessoas confiam em n\xF3s tamb\xE9m.

A publica\xE7\xE3o aberta est\xE1 jogando do lado oposto do espectro de confian\xE7a que a m\xEDdia corporativa joga.

N\xE3o estamos trabalhando para convencer as pessoas que essa \xE9 uma boa maneira de fazer as coisas. Estamos criando um espa\xE7o no qual as pessoas podem tomar suas decis\xF5es, inclusive se essa \xE9 uma boa forma de fazer isso.

  • A viajem \xE9 o destino.
  • A publica\xE7\xE3o aberta n\xE3o \xE9 nada de novo. \xC9 uma reinven\xE7\xE3o eletr\xF4nica da antiga arte de contar hist\xF3rias.
  • A publica\xE7\xE3o aberta \xE9 software livre. \xC9 a liberdade de informa\xE7\xE3o, liberdade para a criatividade.
  • A publica\xE7\xE3o aberta \xE9 irresistivelmente feita por volunt\xE1rios.
Quem vai fazer o jornalismo investigativo? Como as pessoas poder\xE3o dar uma perspectiva do outro lado do mundo? O que vai prover um sentido de vista geral, de conectividade e de identidade comum? As pessoas ser\xE3o pagas por seu trabalho? O vai ser dos filmes? Dos m\xFAsicos? Onde haver\xE1 o sustendo de esfor\xE7os de centenas de pessoas?

Espero que as perguntas acima sobre a publica\xE7\xE3o aberta j\xE1 tenham sido respondidas pelo software livre. E parte pela rede Indymedia e outros milhares de sites que usam a publica\xE7\xE3o aberta. A publica\xE7\xE3o aberta \xE9 simplesmente o processo de pegar uma tend\xEAncia e identific\xE1-la, amplifica-la e estrategicamente aplic\xE1-la nos pontos fracos dos monop\xF3lios globais de poder e de informa\xE7\xE3o.

As pir\xE2mides s\xE3o terrivelmente inspiradoras. Mas elas foram constru\xEDdas por trabalho escravo. N\xF3s evolu\xEDmos como esp\xE9cie. Podemos fazer coisas fant\xE1sticas sem utilizar t\xE9cnicas eg\xEDpcias brutais de escravid\xE3o. Podemos fazer sem novas pir\xE2mides.

Estamos em meio a uma extin\xE7\xE3o em massa de esp\xE9cies. Precisamos descobrir uma forma de viver em harmonia com o ecossistema do planeta antes que ele entre em um processo de feedback negativo e mate bilh\xF5es de formas de vida. E n\xE3o vamos chegar l\xE1 sacrificando nossas vidas pela ind\xFAstria automobil\xEDstica, trocando nossos direitos humanos por sapatos, matando pessoas por empresas farmac\xEAuticas, escondendo nossa criatividade das multinacionais.

Podemos fazer melhor. Esquecer as pir\xE2mides. Passar por cima da domina\xE7\xE3o do mundo.

O software livre est\xE1 conectando o globo. A publica\xE7\xE3o aberta pode simplesmente ajudar a criar estas conex\xF5es para salvar o planeta.

Notas de rodap\xE9; Exemplos de publica\xE7\xE3o aberta:

Nenhum dos acima citados se encaixam em todos os crit\xE9rios da publica\xE7\xE3o aberta. Mas est\xE3o muito pr\xF3ximos. Deve haver um monte de outros por a\xED. Sugest\xF5es s\xE3o bem vindas.

Perceba que enquanto o Slashdot.com possui muitas caracter\xEDsticas da publica\xE7\xE3o aberta, e foi de fato uma fonte de inspira\xE7\xE3o, n\xE3o acho que seja de fato publica\xE7\xE3o aberta. De maneira significativa, as mat\xE9rias (de forma oposta aos coment\xE1rios) s\xE3o tiradas de contribui\xE7\xF5es dos/as leitores/as, mas s\xE3o processadas em portas fechadas.

Por sinal, nenhum dos quatro sites acima citados existiria sem o software livre. Acho que \xE9 mais uma raz\xE3o pela qual a publica\xE7\xE3o aberta \xE9 software livre.

................

Obviamente, acho que podemos aprender muito do movimento do software livre. Uma id\xE9ia ainda n\xE3o totalmente desenvolvida \xE9 a de publica\xE7\xE3o aberta em copyleft, similar ao copyleft do software livre (NT: Na \xE9poca do texto ainda n\xE3o existia Creative Commons). O copyleft define com a informa\xE7\xE3o pode ser compartilhada, seq\xFCestrando as leis de direitos autorais para garantir que a informa\xE7\xE3o livre somente pode ser usada em um contexto livre. Isso encoraja o crescimento de espa\xE7os livres, zonas aut\xF4nomas, na medida em que o processo de compartilhar informa\xE7\xF5es \xE9 divulgado junto com a pr\xF3pria informa\xE7\xE3o. Isso pode ser a parte chave do que precisamos para definir a publica\xE7\xE3o aberta para n\xF3s mesmos e nossos colaboradores em potencial. N\xE3o precisa ser perfeitamente legal para ser utiliz\xE1vel, isso pode ser desenvolvido mais tarde. A coisa mais \xFAtil seria come\xE7ar a brincar com a defini\xE7\xE3o. Isso \xE9 parte do que estamos fazendo em nosso trabalho ao definir a Rede Indymedia. Mas acho que tamb\xE9m precisamos definir como utilizamos nacos de pequenas informa\xE7\xF5es que envolvem as afilia\xE7\xF5es \xE0 rede. E o b\xE1sico peda\xE7o de informa\xE7\xE3o \xE9 uma hist\xF3ria e a licen\xE7a copyleft que \xE9 aplicada a ela.

Para mim, a melhor id\xE9ia at\xE9 agora que foi aplicada \xE0 not\xEDcias \xE9 a id\xE9ia de que a mat\xE9ria pode ser reutilizada em qualquer lugar,mas somente se todos os/as leitores/as tiverem acesso \xE0 ela, e possam identificar e buscar facilmente a fonte da not\xEDcia. Como por exemplo, pela legenda de uma foto publicada no Indymedia que contenha o endere\xE7o do site e leve o leitor a procurar a mat\xE9ria original. Isso significa que o/a leitor/a pode al\xE9m de verificar a vers\xE3o original da hist\xF3ria, adicionar suas opini\xF5es criativas ao fluxo. Isso ajuda a certificar que onde quer que a hist\xF3ria tenha ido, h\xE1 um link s\xF3lido que leva de volta a quem realmente teve o trabalho inicial, aquele processo cru que tornou poss\xEDvel e permitiu que novas pessoas contribu\xEDssem, modificassem e evolu\xEDssem.

Isso de fato envolve abrir m\xE3o do direito de requerer pagamento por cada c\xF3pia feita. O software livre sacrifica a mesma coisa e assim mesmo acaba dando muito certo. Precisamos tentar isso com not\xEDcias e document\xE1rios e ver se funciona igualmente bem.

Um ponto chave \xE9 que voc\xEA ainda pode cobrar por c\xF3pias de informa\xE7\xE3o em copyletf. Voc\xEA n\xE3o pode simplesmente impedir uma pessoa de dar uma c\xF3pia de algo que comprou, inclusive o acesso \xE0 fonte do material. E a fonte dos materiais devem estar dispon\xEDveis por n\xE3o mais que o custo bruto de distribui\xE7\xE3o.

E acontece que as pessoas ainda compram software livre. De fato, bastante.

Somado a isso, a reputa\xE7\xE3o do software livre se difunde rapidamente se o software \xE9 bom. O que beneficia o projeto do software porque prov\xEA mais retorno, mais volunt\xE1rios/as para ajudar a melhorar o c\xF3digo e, em alguns casos, mais dinheiro.

A analogia para um v\xEDdeo document\xE1rio seria coloc\xE1-lo sob licen\xE7a copyleft de forma que qualquer pessoa pudesse copi\xE1-lo desde que a c\xF3pia dissesse que \xE9 copyleft e que qualquer espectador encontrasse um link de volta \xE0 fonte (por exemplo, o endere\xE7o do site do indymedia da cidade de onde veio). Mas o produtor do v\xEDdeo ainda assim poderia cobrar por c\xF3pias que fossem feitas. Podem cobrar especialmente caro para multinacionais de redes de TV que tenham interesse em c\xF3pias urgentes dos v\xEDdeos. A rede de Tv teria que pagar se quisesse uma imagem sem ter que procurar outra pessoa que tivesse o material e estivesse disposto a copi\xE1-lo rapidamente. E independentemente da forma que eles editassem o material, por causa da licen\xE7a copyleft, eles teriam que legalmente dar alguma aten\xE7\xE3o aos espectadores ao citar o endere\xE7o web da fonte. Essa aten\xE7\xE3o do espectador \xE9 extremamente valiosa para a rede, porque \xE9 extremamente valiosa. Pode ser tamb\xE9m poderosa para n\xF3s. Se eles deixarem de citar a fonte, podem ser processados pelo valor da aten\xE7\xE3o dos espectadores. Seria uma grande responsabilidade.

H\xE1 formas de planejar o sistema. N\xE3o tenho certeza se isso vai funcionar, mas acho que pode ser divertido e que vale a pena tentar!

Update de Abril de 2003: Acabei de descobrir estas \xF3timas licen\xE7as Creative Commons,que acho que s\xE3o perfeitas para o caso

.......

Ideais e realidade: muitas das coisas que disse acima s\xE3o ideais. N\xE3o se encaixam perfeitamente na realidade. Mas s\xE3o \xFAteis como uma forma de pensar sobre diferentes abordagens.

Por exemplo, software livre e publica\xE7\xE3o aberta n\xE3o s\xE3o totalmente livres de cobran\xE7a, mas a cobran\xE7a \xE9 reduzida aos custos de distribui\xE7\xE3o. Isso \xE9 milhares de vezes menos que os custos anteriores, que tendiam a incluir custos da lux\xFAria de carros, casas e jatinhos para executivos de multinacionais. H\xE1 uma grande diferen\xE7a.

Outro ponto importante com o software livre \xE9 que programar \xE9 uma habilidade bastante demandada, o que d\xE1 um grande poder a programadores como um grupo de pessoas neste ponto da hist\xF3ria. Historicamente, acho que isso est\xE1 levando a uma grande mudan\xE7a. Uma falha neste discurso poderia ser que os programadores se tornassem muito poucos para a demanda e que jornalistas e contadores de hist\xF3rias j\xE1 se encontram em superabund\xE2ncia no pensamento econ\xF4mico.

Entretanto, uma vez que derrubamos v\xE1rios padr\xF5es de superconsumismo, podemos criar um c\xEDrculo virtuoso que nos d\xE1 mais tempo de lazer, mais qualidade de vida tanto para n\xF3s quanto para outras pessoas que moram em pa\xEDses mais pobres – financeiramente – que o nosso. Por exemplo, ficar livre do carro d\xE1 muito mais tempo de lazer porque voc\xEA n\xE3o tem mais que gastar muito tempo ganhando todo aquele dinheiro para ficar preso em engarrafamentos. Novamente, isso \xE9 simplista, existem planejamentos urbanos de fluxos a serem considerados, mas acredito bastante que isso \xE9 cultural e que a troca de informa\xE7\xF5es faz parte das mudan\xE7as culturais para que sejam mais suscet\xEDveis \xE0s nossas necessidades, assim como as do planeta.

Em outras palavras, com alguma sorte e muito trabalho \xE1rduo e divertimento, as coisas podem come\xE7ar a acertarem-se no lugar em tempo de crescer e evoluir como esp\xE9cies e como um ecossistema global.

...

Parece que v\xE1rias partes da sociedade est\xE3o sendo privatizadas. Sa\xFAde, educa\xE7\xE3o, comunica\xE7\xF5es, m\xEDdia comunit\xE1ria. Ser propriedade governamental ou de uma ONG n\xE3o \xE9 garantia. Algumas vezes existem alguns benef\xEDcios da privatiza\xE7\xE3o. Mas n\xE3o estou convencido de que esta seja a \xFAnica forma de conseguir tais benef\xEDcios. O pre\xE7o a se pagar \xE9 muito caro. Principalmente em pa\xEDses pobres, onde o pre\xE7o do b\xE1sico (como a \xE1gua na Bol\xEDvia) podem se tornar de repente inalcan\xE7\xE1vel.

O Software livre n\xE3o pode ser privatizado.

Especialmente o software livre licenciado sob copyleft.

As corpora\xE7\xF5es podem utilizar, melhorar, mas n\xE3o podem possuir exclusividade sobre o software, n\xE3o podem proibir outros de utilizarem e/ou modificarem o mesmo sistema.

A publica\xE7\xE3o aberta pode ser privatizada? Acho que a defini\xE7\xE3o correta seria uma forte prote\xE7\xE3o contra a privatiza\xE7\xE3o. Mas os largos efeitos da sutil diferen\xE7a entre as licen\xE7as copyleft e a do BSD (NT:sistema operacional da Universidade de Berkley, na Calif\xF3rnia) mostram o qu\xE3o importante a defini\xE7\xE3o pode ser. Vamos brincar com alguns exemplos e ver qual \xE9 o que se adapta melhor.

...

Toda fala\xE7\xE3o sobre o compartilhamento de m\xFAsicas e 'dotbombs' na m\xEDdia comercial est\xE1 scondendo um t\xF3pico importante: os sites de mais suceso da internet fiam-se na criatividade de seus usu\xE1rios, n\xE3o em produtores profissionais comoera tradi\xE7\xE3o na m\xEDdia eletronica de antigamente.

* geocities.com \xE9 um universo de p\xE1ginas nas quais qualquer pessoa pode se adicionar, e de acordo com o que escutei \xE9 um site ao estilo de 'os dez melhores' (imagine um canal de televis\xE3o em que as/os usu\xE1rios/as pudessem contribuir com o que quisessem, e o material fosse mostado entre os dez mehores; me parece pouco prov\xE1vel, esse \xE9 mais um exemplo de porque a internet \xE9 t\xE3o diferente da TV) * O amazon.com fia-se pesadamente em leitores embusca de cr\xEDticas de livros (e eles/as compraram o imdb.com,que \xE9 uma compila\xE7\xE3o massiva de dados sobre filmes) * O egroups.com \xE9 sobre pessoas que se juntam para falar sobre o que quer que seja que os apixone. * O ebay.com \xE9 sobre pessoas vendendo umas para as outras coisas; um bazar, n\xE3o um shoping cheio de lojas de marca.

Estes s\xE3o todos sites com grande audi\xEAncia,etodos facilitama criatividade ao inv\xB4s de pagar pesoas para criarem isso diretamente. Claro que, quando qualquer pessoa pode contribuir, tem-se um problema com rela\xE7\xE3o ao fato de que os/as usu\xE1rias/os devem descobrir em quais coisas podem confiar. A maioria destes sites t\xEAm sucesso porque encontraram formas h\xE1beis de fazer com que isso aconte\xE7a, muitas vezes utilizando um tipo de sistema de classifica\xE7\xE3o por usu\xE1rios/as (usu\xE1rio/a-editorial). Ent\xE3o todos estes sites t\xEAm um esp\xEDrito de publica\xE7\xE3o aberta.

Nos antigos sistemas de m\xE3o \xFAnica, a midia comunit\xE1ria era excess\xE3o. Na internet, a midia comunt\xE1ria praticamente faz parte do mainstream.

Sim, houveram mat\xE9rias que mostraram que usu\xE1rias/os da AOL passama maior parte do tempo simplesmenteutilizando servi\xE7os da AOL, concluindo que as pesoas est\xE3o felizes em ficarna terra corporativa da AOL. Entretanto, tais mat\xE9rias n\xE3o revelam o que os asus\xE1rios/as estavam fazendo. Estimo que stivessem lendo e-mail, usando o bate papo e navegando muito pouco. J\xE1 que usam as ferramentas do AOL para e-mail e enviar mensagens instant\xEAnas e isso conta como tempo de uso do AOL, ent\xE3o, de fato, uma melhor indica\xE7\xE3o da diversidade da navega\xE7\xE3o seria encontrada ao observar o tempo que gastam navegando. O resto do tempo elas/es est\xE3o se comunicando com outros/as usu\xE1rios/as. Todas as veses no passado em que se tentou estabelecer uma rede fechada, n\xE3o funcionou diante da intenet (o maior exemplo foi a compuserve). Ent\xE3o a AOL pode estar mais pr\xF3ximo que ning\xE9m de criar uma vers\xE3o de um grande shopping na internet, mas eles/as ainda est\xE3o bem mais longe do que elas/es querem que voc\xEA pense.

As pessoas querem se comunicar, querem colocar sua criatividade em pr\xE1tica. A televis\xE3o \xE9 uma tecnologia que n\xE3o consegue lidar com isso muito bem, ainda assim, estamos convencidos mesmo ap\xF3s decadas de televis\xE3o que prcisamos de profissinais para contar nossas hist\xF3rias.

Imagine se voc\xEA tentasse vender telefones celulares qu s\xF3 discassem para o Pizza Hut ou enviassem mensagens escritas pela Mesbla? Ningu\xE9m os compraria (e olha que isso j\xE1 foi tentado: uma id\xE9ia muito antiga de marketing era utilizar o telefone para as pessoas ouvirem \xF3pera). As pessoas s\xE3o animais sociais, queremos utilizar as ferramentas de comunica\xE7\xE3o para conversar com outras pessoas. O \xFAnico motivo pelo qual isso n\xE3o aconteceu com a televis\xE3o \xE9 porque a televis\xE3o \xE9 uma tecnologia de m\xE3o \xFAnica.

S\xF3 porque a televis\xE3o n\xE3o correspondeu \xE0 essas expectativas idealistas, n\xE3o significa que a internet deva seguir o mesmo caminho. A internet \xE9 completamnte um caminho de m\xE3o dupla, e isso faz uma grande diferen\xE7a. Os motivos pelos quais voc\xEA pode ainda n\xE3o ter ouvido sobre essa tend\xEAncia \xE9 porque boa parte dos coment\xE1rios sobre a internet ainda s\xE3o provenientes do velho sistema de m\xE3o \xFAnica da m\xEDdia.

Para ler mais sobre isso, leia meu artigo “Is the internet elitist?”.

-- DricaVeloso - 16 Jan 2006
-- SilvioRhatto - 02 Mar 2006

-- ElisaX - 13 Jul 2009
Topic revision: r10 - 13 Jul 2009, ElisaX
This site is powered by FoswikiCopyright © by the contributing authors. All material on this collaboration platform is the property of the contributing authors.
Ideas, requests, problems regarding Foswiki? Send feedback